Avançar para o conteúdo principal

Um Guia Rápido e Simples para Execução de um Filme Stop-Motion

 



Em setembro de 2020, publicamos no nosso canal Youtube um pequeno filme de animação Stop-Motion, realizado por alunos do 2º ano do 1º Ciclo do nosso agrupamento. Este é um pequeno guia que nos permite perceber como foi possível a alunos tão jovens, planificar, executar e publicar estas pequenas histórias animadas. Um professor de Artes do agrupamento participou semanalmente na aula de cada turma e em conjunto com os professores titulares desenvolveu a atividade.

MATERIAL E RECURSOS NECESSÁRIOS:

1) Câmara fotográfica digital ou telemóvel com câmara (de preferência que permita tirar fotos em modo manual em que se define velocidade do obturador, abertura e sensibilidade).

2) Tripé ou qualquer outro dispositivo que nos permita manter a câmara fixa enquanto tiramos as fotografias necessárias. Se a câmara o permitir e se for possível, o uso de um controlador remoto facilita a execução do filme (mas não é obrigatório).

3) Software para edição das fotografias e adição de som, música e texto. Existem muitas ferramentas gratuitas que nos permitem editar as imagens e adicionar conteúdos. Aqui está uma lista com os mais conhecidos:
                Kdenlive (para Windows, Linux e Mac).
                Shotcut (para Windows, Linux e Mac).
                DaVinci Resolve (para Windows, Linux e Mac).
                Olive Video Editor (para Windows, Linux e Mac).

PROCESSO:

O processo de execução sugerido foi utilizado no contexto do 1º Ciclo mas consideramos que possa ser explorado noutros escalões etários. De forma sucinta, foi assim que foram concretizados os pequenos filmes produzidos pelos alunos do 2º ano de escolaridade.

1) Foi sugerido aos alunos que recolhessem materiais diversos que estivessem, de preferência, destinados à reciclagem - garrafas de plástico, caixas de cartão, tampas, etc. Este procedimento é habitual no contexto de aula, pelo que se revelou fácil e expedito. Alguns dos alunos surpreenderam mesmo com soluções inesperadas. Esses materiais foram devidamente organizados e guardados por tipos/dimensões.

2) Ao mesmo tempo que os materiais descritos no ponto anterior eram recolhidos pelos alunos, foi proposto a cada um que criasse uma personagem - imaginada com liberdade e sem qualquer tipo de limitação criativa ou conceptual. Surgiram animais fantásticos, princesas e príncipes com características únicas, heróis e vilões. Não foi imposto nenhum modelo nem se referiu a necessidade de um suporte narrativo para cada uma das personagens. Deu-se importância à cor e às particularidades expressivas num momento criativo que não ultrapassou os noventa minutos.

3) Após a concepção individual, formaram-se grupos com quatro ou cinco alunos e foi proposto que se inventasse uma pequena história com as personagens anteriormente criadas. No 1º Ciclo, este processo criativo revelou-se fácil e de concretização rápida. Cada um dos grupos escreveu a sua história dividindo-a por cenas/episódios. Esta parte do processo também não ultrapassou os noventa minutos.

4) De seguida, os grupos transformaram os desenhos das personagens criadas em objetos tridimensionais executados com os materiais recolhidos anteriormente. Os professores reforçaram a importância do valor expressivo de cada uma das figuras, por exemplo nos olhos e mantiveram a coerência formal das mesmas - na dimensão de cada uma. Esta parte do trabalho exigiu duas sessões de noventa minutos. Os grupos executaram também algumas peças de cenários necessárias para a compreensão das histórias, tendo sido executadas ao mesmo tempo que as personagens e aproveitando materiais restantes.

5) Após a execução de todos os elementos necessários, foram tiradas as fotografias para construção dos segmentos stop-motion. Para a edição de uma animação eficaz, devem-se tirar no mínimo seis fotografias para cada segundo de animação. Sendo um processo moroso e estando-se a trabalhar com crianças bastante jovens, optou-se pela rotatividade nas funções atribuídas a cada uma delas - metade do grupo ficou responsável pelo movimento dos personagens, enquanto os restantes elementos tiravam as fotografias. Esta rotatividade permitiu que todos compreendessem os aspectos técnicos do processo de forma integral. 
Lembramos que o movimento dos personagens deverá ser executado com pequeníssimas alterações para que o processo stop-motion seja eficaz, devendo-se fazer um curto filme teste antes de se iniciar esta parte do processo.

6) Depois de finalizada cada uma das cenas partiu-se de imediato para a edição individual de cada uma delas. Optou-se por o fazer em vez de aguardar pela finalização da totalidade das fotografias, de forma a mostrar aos jovens alunos a materialização imediata dos seus esforços, o que permitiu melhorias e acertos no processo, assim como a recompensa a curto prazo do empenho individual e de grupo.
Na sonorização foram utilizados recursos do site freesound.org e da coleção de música e sons do Youtube.


GUIAS E OUTRAS IDEIAS:

O processo de execução de um filme stop-motion não é complexo e pode ser facilmente apreendido pelos alunos, mas não existe uma receita absoluta e única para concretizar um projeto com estas características. O curto guia desta página, limita-se a descrever uma solução que funcionou. Aqui estão outras formas de o fazer.

Este autor sugere apps para serem usadas num telemóvel (em língua portuguesa).

No canal do Youtube do Museu Tate podemos encontrar o seguinte guia para crianças.