Avançar para o conteúdo principal

Ilustração à Vista - 5 a 8 de Maio de 2022

 

"Ecosistemas" - Instalação de Pilar Mckena (2015)


23milhas.pt

O Ilustração à Vista, um festival cujo mote é, desde sempre, “Desenhar um Território”, regressa depois de dois anos de paragem e contenção. Destacando-se pela sua lógica interdisciplinar, o festival integra na sua programação formas inesperadas de desvendar as artes visuais: através da música, dança, arte urbana, exposições, teatro de rua ou oficinas. Na sua quarta edição, o Ilustração à Vista não se fica pelas margens: entra na água, enfrenta a ondulação, flutua, ainda tem pé.

Este ano, o festival apresenta uma programação marcada pela temática da água, com seis concertos especiais, dois deles inéditos, cinco performances (desde teatro a um percurso encenado), três exposições, duas oficinas e uma feira do livro ilustrado.

Na música, nota para a estreia do concerto de Tiago Nacarato ilustrado ao vivo por Valerio Giovannini, do cine-concerto dos Sensible Soccers, que criaram uma banda sonora para o filme “Douro, Faina Fluvial” (1931), de Manoel de Oliveira, a estreia do projeto “Miura” de João Fino, o concerto “Sons de Resistência” de Luís Bittencourt, o espetáculo “Textures & Lines” de Drumming GP, Joana Gama, Luís Fernandes e Pedro Maia e “As árvores não têm pernas para andar”, de Joana Gama. Todos estes concertos têm uma forte componente visual.

Nas performances, destaque para “PALAPHITA” da Pia Projetos de Intervenção Artística, o espetáculo “Quem matou o meu pai" da Teatro Nova Europa, a instalação performativa “Entre”, de João Pedro Fonseca e o percurso performativo “Guarda Rios”, do coletivo West Coast. Estes espetáculos são também intervenções no espaço público, que cumprem um dos objetivos do Ilustração à Vista, desenhar o território, promovendo experiências diferenciadas em lugares comuns e incomuns e encorajando a comunidade a pensar o seu papel no território e o território no seu dia a dia. 

No terceiro dia do festival, a noite termina com a performance do ilustrador catalão Toni Ortiz, acompanhada pelo dj set dos Paranhos Collection.  O festival conta ainda com três exposições, uma sobre a obra de João Carlos Celestino Gomes, a Atividário Dança”, da Pato Lógico e “Os sonhadores de Paisagens”, de Joaquim Marques. Nota ainda para as oficinas, com a “Terceiras Impressões - AGIL imprime Pilar Mackenna”, da AGIL, Associação Gráfica Ilhavense e uma oficina de pintura cerâmica da Vista Alegre. No Ilustração à Vista, inaugura-se ainda, na Biblioteca Municipal de Ílhavo, uma feira do livro ilustrado.